Libras na UFOP

O Libras na UFOP √© um projeto que prop√Ķe a oferta de cursos de extens√£o com o objetivo de promover o conhecimento em L√≠ngua Brasileira de Sinais (Libras) em dois m√≥dulos, a saber: m√≥dulo 1 ‚Äď conhecimento b√°sico introdut√≥rio da l√≠ngua de sinais (LS); e m√≥dulo 2 ‚Äď conhecimento b√°sico intermedi√°rio da LS. Para atender ao proposto ser√£o ministradas aulas pr√°ticas que ir√£o trabalhar o desenvolvimento de habilidades de sinaliza√ß√£o e compreens√£o em Libras. Trata-se de um curso voltado √† comunidade acad√™mica, visando amenizar as barreiras de comunica√ß√£o existente entre surdos e ouvintes. Segundo dados do IBGE, no Brasil, cerca de 5% da popula√ß√£o √© surda e, parte destas pessoas utilizam a Libras ‚Äď L√≠ngua Brasileira de Sinais para comunica√ß√£o (IBGE, 2010). A L√≠ngua Brasileira de Sinais (Libras) √© uma l√≠ngua visual-espacial baseada nas experi√™ncias visuais das comunidades surdas, mediante suas intera√ß√Ķes culturais. Esta l√≠ngua foi reconhecida pela Lei n¬ļ 10.436/2002 (BRASIL, 2002), como meio legal de comunica√ß√£o e express√£o das pessoas surdas. A partir desta legisla√ß√£o, ficou garantido pelo poder p√ļblico, formas institucionalizadas de apoio para o uso e a difus√£o da Libras como meio de comunica√ß√£o nas comunidades surdas. Em 2005, o decreto 5.626 disp√Ķe que a Libras deve ser inserida como disciplina curricular obrigat√≥ria nos cursos de forma√ß√£o de professores para o exerc√≠cio do magist√©rio, em n√≠vel m√©dio e superior, e nos cursos de fonoaudiologia, de institui√ß√Ķes de ensino p√ļblicas e privadas, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Munic√≠pios. Embora as pessoas surdas tenham ganhado visibilidade com o reconhecimento pol√≠tico da Libras, ainda s√£o necess√°rios investimentos em a√ß√Ķes voltadas a esse p√ļblico, em especial, cursos de forma√ß√£o e capacita√ß√£o em Libras. Como os surdos comp√Ķem um grupo lingu√≠stico e cultural minorit√°rio, a falta de acessibilidade comunicacional √© um dos maiores obst√°culos para a sua inclus√£o. Assim, para que a popula√ß√£o surda seja de fato inclu√≠da, e possa participar efetivamente das atividades existentes na sociedade, √© indispens√°vel que os ouvintes, que s√£o maioria lingu√≠stica, aprendam a l√≠ngua de sinais como segunda l√≠ngua, a fim de que haja uma real comunica√ß√£o com os surdos. No decreto 5.626/2005 √© previsto, no cap√≠tulo IV, artigo 14, que: As institui√ß√Ķes federais de ensino devem garantir, obrigatoriamente, √†s pessoas surdas acesso √† comunica√ß√£o, √† informa√ß√£o e √† educa√ß√£o nos processos seletivos, nas atividades e nos conte√ļdos curriculares desenvolvidos em todos os n√≠veis, etapas e modalidades de educa√ß√£o, desde a educa√ß√£o infantil at√© √† superior. Para garantia destes direitos, as universidades devem: capacitar professores para o ensino e uso da Libras; ofertar cursos de forma√ß√£o para tradu√ß√£o e interpreta√ß√£o de Libras – L√≠ngua Portuguesa; e para o ensino da L√≠ngua Portuguesa, como segunda l√≠ngua para pessoas surdas (BRASIL, 2005). Na regi√£o dos inconfidentes h√° uma car√™ncia de cursos de capacita√ß√£o em Libras para a popula√ß√£o, o que traz preju√≠zos para a comunidade surda local. Pensando em amenizar esta lacuna, propomos este projeto, para que alunos, familiares de surdos, professores e a comunidade acad√™mica em geral possam ter a oportunidade de ampliar os conhecimentos na L√≠ngua Brasileira de Sinais, e, como consequ√™ncia, atuar de forma significativa na sociedade com vistas a quebrar barreiras de comunica√ß√£o.

Esse projeto integra o Programa: Laboratório de Linguagens: pesquisa e extensão em ensino e aprendizagem (LALIN)

Coordenador Docente: ANDREIA CHAGAS ROCHA TOFFOLO

E-mail: andreiarocha@ufop.edu.br

Setor: DEPARTAMENTO DE LETRAS (DELET)

Endere√ßo: R. do Semin√°rio, s/n ‚Äď Mariana, MG, 35420-000

Redes Sociais